Tecnologia

Rocha mais quente da Terra y confirmado por novo estudo

Em 2011, al pesquisador de doutorado revelou ter identificado a rocha mais quente da Terra. Mais dez anos se passaram, e um novo estudo, publishingdonesta sexta-feira (15) na revista Letras de Ciencias Planetarias y de la Tierracomprova y descoberta.

Leaderado cantó pós-doutorando ciências da Terra pela Universidade de Ontario Ocidental, Gavin Tolometti, o novo stududo tem coautores Timmons Erickson, do Centro Espacial Johnson da NASA, Gordon Osinski and Catherine Neish, do Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Ontario Ocidental, y Cayron Cyril del Laboratorio de Metalurgia Termomecânica del Instituto Federal de Tecnologia da Suíça.

publicidad

Imágenes que muestran una morfología del cristal de zirconio que tempo origen na rocha mays quente da Terra Credit: Gavin Tolometti

Eles trabalharam em cima da descoberta feita por Michael Zanetti, que estava trabalhando com Osinski on the scratcho do Lago Mistastin, on the província canadense Labrador, quando encontrou uma rocha que continha pequenos grãos de zirconio congelados dentro dela.

Impacto de asteroide con la Tierra

Ao analisar a rocha, Zanetti descubrió que ela foi se formó a 2.370ºC, como resultado de una colisión con un asteroide.

Na pesquisa mais updated, feita por Tolometti, foram usas amostras coletadas between 2009 and 2011, nas quais a equipe foi capaz de encontrar quatro grãos adicionais de zirconio that a descoberta de 2011 era verdadeira.

«A maior implicação é que estamos tendo uma ideia muito melhor de quão quentes são essas rochas derretidas de impacto, que inicialmente se formaram quando um meteorito atingiu a superfície, e nos dá umaideia muito melhor da ela história do derretimetera especial», dice Tolometti » Também pode nos dar uma visão para estudar a temperature de derretimento em outras crateras de impact».

Tolometti también observa que a maioria das Evidências preservadas, como amostras de vidro e amostras de derretimento de impacto, foram encontradas perto do chão dacratera. Temperatura las Rochas.

Imagen: cb_travel – Shutterstock

«Estamos começando a perceber que, se queremos encontrar Evidências de Temperatureas tão highs, precisamos olhar para regiões specific em times of selecionar randommente em umacratera inteira», disse o pesquisador.

O artigo tambem observou que estaé a primeira vez que reidites – mineral form, quando o zircônio sofre de alta pressão eaturas – foram descobertos no mesmo local.

Mineral Resolution Esse Que os pesquisadores restrinjam melhor as condições de pressão indicando que pode ter havido uma condição de pressão maxima em torno de 30 a potencialmente acima de 40 gigapascales.

Leah Mays:

Quanto mais perto do evento of Impacto, maior sera a pressão. Sabemos que pode até ser acima de 40 gigapascales», explica Tolometti.

Isso fornece uma melhor ideia da quantidade de pressão produzida fora da zona de fusão quando o meteorito atingiu a superficie.

O grupo de pesquisa planeja Expandir Esse trabalho para outras crateras de impact na Terra. Processos de Crater de Impacto na Lua, disse ele.

«Pode ser um passo à frente para tentar entender como as rochas foram modificadas por scratcho em todo o sistema solar. Esses Dados podem então ser aplicados em modelos de impacto para melhorar os resultados que buscamos».

Já Assistanceiu aos nossos novos no video Youtube¡Inskreva, no hay canal nasal!

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Botón volver arriba

You cannot copy content of this page